Mobilidade na Terceira Idade

DEKRA apresenta o Road Safety Report 2021

Seja viagens em seus próprios carros, em suas bicicletas ou a pé, os idosos em todo o mundo estão se tornando cada vez mais móveis, e muitos continuam a usar as estradas até a idade avançada de várias maneiras. Essa mobilidade acarreta um risco muito maior de acidentes para esse grupo demográfico, do que para as faixas etárias mais jovens. “Precisamos agir rapidamente para minimizar esse risco e, ao mesmo tempo, permitir que os idosos mantenham sua mobilidade, para que possam continuar a desempenhar um papel ativo na sociedade”, comentou Jann Fehlauer, Diretor Executivo da DEKRA Automobil GmbH sobre as conclusões do DEKRA Road Safety Report 2021 (Relatório de Segurança Viária 2021), intitulado “Mobilidade na Terceira Idade”. Isso é ainda mais importante dado o fato de que a população com mais de 65 anos representará uma parte cada vez maior de nossa população geral nas próximas décadas. Este Relatório de Segurança Rodoviária da DEKRA é a 14ª edição a ser publicado. O diretor afirma que há muitos lugares por onde começar, se quisermos atingir esses objetivos, mostrados pelos muitos exemplos no relatório, das funções desempenhadas pelo fator humano, tecnologia e infraestrutura.

O CEO da DEKRA Stefan Kölbl (à direita) e Jann Fehlauer, Diretor Geral da DEKRA Automobil GmbH, na primeira apresentação do Relatório de Segurança Rodoviária DEKRA 2021 na Alemanha.

Cerca de 30% de todas as mortes no trânsito que ocorreram na UE nos últimos anos, tinham 65 anos ou mais e, entre os pedestres e ciclistas, os idosos representavam cerca de metade de todos os mortos nas estradas. Esses poucos fatos, por si só, ilustram o dilema frequentemente ameaçador que os idosos enfrentam ao usar a estrada em qualquer função.

Isso se torna particularmente claro se olharmos quantos idosos foram mortos na estrada em relação aos dados demográficos mais jovens. De acordo com o Grupo Internacional de Dados e Análise de Segurança no Trânsito (IRTAD), o número de jovens de 18 a 24 anos que morreram em acidentes rodoviários nos países analisados ​​(países da OCDE, exceto Argentina, Canadá, Colômbia e Eslovênia) caiu 25% entre 2010 e 2018, e o mesmo número caiu 6,9% para as pessoas de 25 a 64 anos. No mesmo período, o número de maiores de 65 anos feridos fatalmente em acidentes aumentou cerca de 7%, enquanto houve um aumento de 4,7% entre os maiores de 75 anos. Se as previsões das Nações Unidas se mostrarem corretas, a situação pode piorar ainda mais em muitas partes do mundo. De acordo com esses números, por exemplo, um a cada quatro residentes na Europa e na América do Norte terá 65 anos ou mais em 2050.

“À medida que avançamos nas faixas etárias, vemos um risco crescente de sofrer lesões mais graves ou fatais em comparação com pessoas mais jovens devido aos mesmos tipos de acidentes. Como tal, existe o perigo de que o número de mortes em acidentes rodoviários, que ocorrem na faixa demográfica com mais de 65 anos, continue a aumentar ”, explicou Jann Fehlauer. O DEKRA Road Safety Report 2021 destaca as áreas em que devemos nos concentrar se quisermos aproveitar efetivamente todas as oportunidades disponíveis para melhorar ainda mais a segurança rodoviária para os idosos.

Um dos desafios será resolver os objetivos conflitantes de ajudar os idosos a manter sua mobilidade independente até a velhice, ao mesmo tempo em que minimiza os riscos potenciais que representam, ou ocasionalmente representam. A melhor abordagem preventiva para combater esse problema parece ser uma combinação de várias soluções. “Precisamos considerar medidas de monitoramento, aconselhamento e avaliação tão seriamente quanto a tecnologia de veículos, soluções de design de infraestrutura e conceitos de mobilidade inclusiva”, acrescenta Fehlauer.

Um foco renovado no fator humano

Muitos especialistas endossam o uso e o desenvolvimento de sistemas de assistência ao motorista como um meio de melhorar a segurança rodoviária para os idosos. Esses sistemas podem, até certo ponto, compensar os déficits de desempenho relacionados à idade e podem ajudar a reduzir o grau de envolvimento dos motoristas mais velhos em acidentes de carro – ou mesmo causá-los – como resultado de erro do motorista, por exemplo. Como mostrou uma pesquisa encomendada pela DEKRA, o grupo de mais de 65 anos é fundamentalmente muito aberto à ideia de assistentes eletrônicos. No entanto, é importante notar que levará muito tempo para que os veículos com sistemas de assistência atinjam um alto nível de penetração no mercado. Para novos sistemas de segurança, isso levará em média cerca de 15 anos após se tornarem um requisito obrigatório.

Uma vez que medidas de infraestrutura, como mudanças estruturais na estrada, também costumam levar muito tempo para ir do estágio de planejamento à implementação, por enquanto precisamos nos concentrar no fator humano se quisermos alcançar resultados positivos rápidos no que diz respeito à segurança no trânsito, especialmente aos idosos. “Nossa capacidade de processamento mental diminui à medida que envelhecemos, o que tem uma grande influência na quantidade de informações que um indivíduo pode manipular a qualquer momento”, comentou Jann Fehlauer. Isso torna mais árduo lidar com a tarefa de dirigir, o que, por sua vez, leva mais rapidamente à sobrecarga na forma de cansaço e estresse mental. “Isso também explica o aumento do risco de se envolver em um acidente, principalmente em situações de trânsito complexas”, acrescenta.

Ele prosseguiu, enfatizando: “De modo geral, para melhorar a segurança viária dos idosos, é necessária uma estratégia proativa que leve em consideração todos os tipos de mobilidade nos níveis internacional, nacional, regional e local”. O objetivo explícito desta estratégia deve ser permitir que os idosos mantenham uma mobilidade pessoal segura – e todos devemos assumir um compromisso social para atingir esse objetivo.

O DEKRA Road Safety Report 2021 intitulado “Mobilidade na Terceira Idade” está disponível para download online em www.dekra-roadsafety.com/pt . Você também encontrará todos os relatórios anteriores lá, bem como informações adicionais, incluindo videoclipes e gráficos interativos.

Para aumentar a segurança rodoviária para os idosos, a DEKRA está solicitando o seguinte:

  • Para garantir que eles usem as estradas com segurança, os idosos devem receber educação intensiva sobre seu desempenho e limitações.
  • Avaliações práticas regulares devem ser obrigatórias para os idosos com mais de 75 anos; estes desempenham um papel importante em ajudá-los a manter suas habilidades.
  • Todos os atores relevantes do sistema de saúde devem receber treinamento de conscientização e qualificação para aconselhar os idosos sobre se é seguro dirigir.
  • Para aumentar a segurança, os sistemas de assistência ao motorista devem ser mais amplamente utilizados no mercado.
  • Os recursos de segurança no veículo, em todos os modelos, devem se tornar amplamente padronizados para que sejam o mais intuitivos possível de usar.
  • Dependendo das condições locais prevalecentes, sistemas de sinalização luminosa, faixas de pedestres, ilhas centrais ou meios-fios salientes devem ser usados ​​para tornar as travessias mais seguras, especialmente para pedestres mais velhos.
  • Atendendo ao facto de cada vez mais pessoas com 65 anos ou mais utilizarem bicicletas e pedelecs, deve ser dada prioridade à expansão da rede de ciclovias de acordo com as preocupações com a segurança rodoviária e à manutenção das ciclovias.
  • Qualquer pessoa que compre uma bicleta – em particular os idosos – deve receber conselhos aprofundados e a oportunidade de se familiarizar com a forma invulgar com que trabalha antes de comprar.
  • Para evitar que os carros circulem na direção errada tanto quanto possível, são necessárias medidas adequadas que ajudem os motoristas a se orientarem (intuitivamente) em tempo útil.
  • Particularmente nas regiões rurais, devem ser desenvolvidos modelos que permitam aos idosos manter a mobilidade sem ter que dirigir um carro.